Famílias das vítimas de Uvalde processam Call of Duty e Meta

Famílias de vítimas de tiroteios em escolas culpam a Activision e a Meta

Em 24 de maio de 2022, Salvador Ramos entrou em sua antiga escola, Robb Elementary, em Uvalde, Texas, e matou 19 crianças e dois professores, ferindo outras 17 pessoas. Agora, no segundo aniversário do tiroteio na escola, as famílias das vítimas de Uvlade entraram com vários processos, incluindo um na Califórnia que visa a editora de Call of Duty, Activision, e a empresa controladora do Facebook e Instagram, Meta, por seu suposto papel em colocar o arma nas mãos do assassino.

Responsabilidade compartilhada de acordo com as famílias das vítimas

As queixas foram apresentadas pelo advogado Josh Koskoff, que afirma que a Activision e a Meta partilham a responsabilidade de “formatar…jovens socialmente vulneráveis” com fantasias violentas de videojogos. O documento afirma ainda que as duas empresas “expuseram deliberadamente o atirador à arma, condicionaram-no a vê-la como a solução para os seus problemas e treinaram-no na sua utilização”. »

As famílias alegam que Ramos baixou uma cópia de Call of Duty: Modern Warfare que traz o mesmo modelo de rifle DDM4V7 que ele comprou e usou no tiroteio. Além disso, acusam a Meta de ter enviado anúncios direcionados a Ramos da mesma arma no Instagram do fabricante, Daniel Defense.

O uso das redes sociais em questão

A Meta não permite que fabricantes de armas comprem anúncios diretos de armas ou explosivos. No entanto, a denúncia sugere que Daniel Defense contornou essa restrição postando materiais promocionais de armas nas contas da empresa no Facebook e Instagram. Outra denúncia também foi apresentada pelas famílias contra Daniel Defesa.

Fonte: www.gamespot.com